Insegurança | Escrito na Madrugada

/ insegurança

11jan 2016

Uma certa insegurança

Postado por às em Pessoal, Textos

Camila Tridapalli

Sabe, eu não sou muito velha pra poder dizer “tudo o que eu aprendi com a minha vida e essa é a minha verdade”, mas acho justo compartilhar algumas coisas. Talvez, sim, procurando por alguma compatibilidade de pensamentos e sentimentos com alguém; ou procurando por algum conselho que me mude – porque a vida é uma constante mudança, não é?!

Desde pequena uma das coisas que mais me atinge é a insegurança, que em cada fase acabou sendo resultado de algo que me aconteceu. A insegurança oscila, com certeza. Vendo que insegurança é algo totalmente diferente de autoestima, sendo o jeito em que eu ponho confiança nos outros. Autoestima trata-se de uma auto-confiança, me achar bonita, me achar legal, ME, À MIM etc. Com a insegurança eu acabo dependendo de outras pessoas. E, meu caro leitor(a), peço perdão pelo palavreado mas: Depender de outras pessoas é se foder. Quase que automático. Claro, posso estar sendo drástica. Mas você não pode esperar perfeição de outra pessoa, se você sabe muito bem que não pode dar o mesmo e ser 100% assertivo nas suas escolhas e ações.

Já levei tanto chute nas costas – Sim! Nas costas, na covardia! Pois a insegurança partiu da inocente confiança inicial que eu depositei em nas pessoas e a terrível quebra da mesma. Às vezes nem me surpreendo mais. Já é meio que certo que você ta aqui, ta com aquele ali, tá com aquele lá. Pode me amar aqui e me checar com nojo quando eu der as costas sorrindo pra você. Certeza.

Parece que é algo em que eu não posso mais controlar. Simplesmente aquela coceira no estômago me vem junto com pensamentos e ideias que podem estar bem longe da realidade. Por isso, quando está tudo errado eu tremo, quando tá tudo certo, também. Nem a comum citação “As pessoas são inocentes até que se prove o contrário”, cabe às minhas percepções. Meu limite de confiança parou no 70%. Tenha certeza que se eu digo “confio em você”, é nesses 70% que estou falando. Não exija mais de mim. É meu escudo, minha forma de não ter mais que passar por certas coisas e depois me arrepender de confiar 100% nas pessoas.

HAHAHA E eu ainda tenho a inocência – ou seria burrice? -, de pedir que me digam sempre a verdade. “Por mais dolorosa que possa ser. Sempre a verdade. Não minta, não oculte.” Novamente, eu tento. Às vezes alivia e ajuda a conseguir aquela capacidade ‘total’ de 70% de confiança que eu posso depositar em alguém.

É o meu jeitinho.

Agora tenho sempre um pé atrás. Talvez os dois. Cheguei no meu limite.

UP!