Polêmica | Escrito na Madrugada

/ polêmica

06jan 2015

Stalker

Postado por às em Séries

stalker

Stalker é uma palavra inglesa que significa “perseguidor”. É aplicada a alguém que importuna de forma insistente e obsessiva uma outra pessoa que, em muitos casos, é uma celebridade. A perseguição persistente pode levar a ataques e agressões.

Sabemos que “Stalker” é uma palavra nova nos nossos dicionários mentais, há pessoas que ainda não fazem a mínima ideia do que significa e a maioria das vezes que fazemos uso dela, parte de uma brincadeira saudável. Porém não é sempre assim. Perseguidores sempre houveram, mas com o avanço das tecnologias ficou ainda mais fácil o acesso à informações mais profundas, inclusive as que você acha que só você e sua melhor amiga sabem. E para um perseguidor que não obtém ajuda, esse poço é cavado cada vez mais fundo. “Fuçar” a pessoa no facebook é o básico, mas já é o começo da obsessão. Ligar, passar na frente da casa ou de lugares que frequenta, permanecer constantemente atualizado às informações da pessoa atingida, e assim vai. Obsessão que é obsessão se não há a ajuda necessária, só tende a ficar mais profunda e perigosa para as duas pessoas – à obsessiva e a “vítima”.
A série, produzida por Kevin Williamson (The following *-* e roteirista de Todo Mundo em Pânico, Eu sei o que vocês fizeram no verão passado, The Vampire Diaries, etc) trata-se sobre dois detetives: Beth Davis (Maggie Q) e Jack Larsen (Dylan McDermott – Ele apareceu na 1ª temporada de American Horror Story) – Os dois com históricos muito interessante. Ao ver alguns capítulos da série você vai descobrindo cada vez mais sobre a vida de Beth, que é uma mulher muito reservada, centrada, dedicada e badass. Jack já é um cara mais mulherengo tentando mudar esse estilo de vida e querendo muito – e por táticas questionáveis – saber um pouco mais sobre seu filho com a advogada (Elisabeth Röhm) da Unidade de Avaliação de Ameaças da polícia de Los Angeles, onde eles trabalham. Os dois detetives são especializados em crimes de perseguição (stalker) em geral. A série pode assustar pessoas que começaram a pouco a ver filmes e séries do tipo. Afinal, Kevin Williamson não é fraco no “terror/suspense” devido ao seu histórico superbom de produções. Porém, eu acho que a série é tranquila de ser assistida, não dará pesadelo algum à quem começou agora a assistir séries criminais. É um bom jeito de começar o gênero, aliás. Fora os casos que eles pegam, a vida e a interação dos parceiros na Unidade (que incluem Mariana Klaveno (de True Blood *-*) e Victor Rasuk) também é algo curioso – afinal, o trabalho que eles têm é algo realmente difícil de lidar. Ah, claro que eu não podia deixar de falar sobre a trilha sonora! É espetacular e me fez ficar viciada em um cover ótimo (fim do post!).
Assista ao trailer da série Stalker:

Resolvi contar um pouco dessa série para vocês pois esses dias em que eu quase não tive tempo para assistir as séries, eu tentava pelo menos ver Stalker. E me surpreendi com o último episódio que assisti, e não posso dar mais detalhes se não estraga toda a brincadeira né?! Hahaa 😛  Mas o que eu tenho percebido é que a cada episódio a série melhora e tem tudo para dar certo! No começo pensei que podia ser uma das séries que eu gosto, mas acabam sendo canceladas. Tomara que nããão!! É um assunto super novo, super questionável, super “em alta” (devido à facilidade no acesso), além de tudo, faz o alerta para o problema. A série tem tudo para dar certo. A partir do momento em que o Stalker/perseguidor atrapalha certos aspectos da vida, é melhor procurar ajuda logo de cara.

Espero que tenham gostado da série, e o que eu recomendo a partir de agora é: Assista 3 episódios da série, e depois me diga se vai conseguir parar 😉 haha
Não esqueçam de comentar, curtir lá no Face e seguir tudo o que acontece lá no Instagram!
Beeeeeeijo!
02maio 2014

LOOK: Quem disse que gordinha não pode usar ♡ CROPPED ♡ ?

Postado por às

 Quem disse que gordinha não pode estar na moda e ser feliz? Comprar roupas têm sido difícil pras fofinhas ultimamente. Numeração de roupa no brasil é utópica, todas as mulheres sabem. Sortudas as que conseguem peças fáceis e lindas e baratas para vestir. Não é meu caso. Gosto de várias coisas, mas muitas vezes não me serve (Principalmente a parte do busto) ou é muito cara. Ultimamente estão fazendo muitas muitas blusas regatas cavadas – que aparece sutiã/realçam o meu braço gordo kkk – ou croppeds também. Alguns vejo e penso:”Poxa, se não tivessem cortado a blusa ao meio, comprava na hora!”. Não é por ser gordinha, mas por muitas vezes não me sentir a vontade com a roupa – coisa que ponho como prioridade.

Depois de ver muitas peças maravilhosas e ficar babando, vi esse cropped “Geek“, na Marisa. Peguei e pensei: “Porque eu não posso também?” e decidi arriscar. Já ouvi gente falando que “não pode. Cropped é coisa pra gente magra.” Ok, não digo que vou sair por aí com as banhas de fora. Mas existe sim, jeitinhos de usar o cropped. Coloquei uma camisa regata por baixo, com uma cor parecida à do Cropped, mas também dá pra colocar alguma que combine, ou que seja num tom mais escuro de cinza – no meu caso. Fica um pouco calor, claro, usando duas peças. Mas nada que seja insuportável. E eu gosto muito desse cropped, cara. Hahhaa ♡_♡

Acabei saindo meio séria nas fotos, não sei porquê. Hahaha Mas é isso gordinhas lindas e fofinhas do meu mundinho, nós podemos SIM. Desde que nos sintamos à vontade com nós mesmas! Afinal, o importante é se sentir bonita! Seria esse o primeiro post sobre – a tão temida por mim – moda? Deixe seu comentário aí embaixo, dizendo o que achou. Beijinhosssss!
Ah! O blog vai entrar em umas reforminhas daqui a pouco, então se eu ficar meio sumida/o blog estiver perdidão, com cara de quem está sofrendo experiências feitas por E.Ts/lembrando o seriado Walking Dead… Não estranhem! Logo mais vem mais! UHUHU

UP!