Texto | Escrito na Madrugada

/ texto

10fev 2017

Como resgatar a autoestima

Postado por às em Comportamento, Pessoal, Textos

Não preciso nem dizer que minha autoestima sempre foi nível pós-sal. Por inúmeros motivos, alguns bem claros ou outros que talvez nem eu  mesma saiba. Muitas vezes não me olho no espelho. Aquele olhar de verdade, não aquele só pra checar se o cabelo não tá parecendo o Chewbacca e sair para algum compromisso. Às vezes não quero nem me arrumar pra sair. Às vezes não aguento e não aceito um elogio.

Mas isso não pode ser rotineiro, nem durar por muito tempo.

COMECE  DE DENTRO PARA FORA – a etapa mais crucial

Eu comecei repetindo para mim mesma e para os que estavam ao redor “Eu sou feia, mas sou legal.”(Por favor, leia até o final do post). Comecei a perceber coisas bacanas na minha personalidade, como isso afetava à mim e aos outros. E comecei a valorizar essas qualidades. Se para você parece não haver 1 qualidade, então comece a procurar formas de poder trabalhar em melhorar esses “defeitos” (talvez seja o demoniozinho da baixa-auto-estima falando tá?) – e boooora! Nada de ser orgulhosa – esse é o piooor defeito do ser humano. Não vai ser de uma hora para a outra que você irá mudar, são pequenos exercícios que a gente se esforça para completar, com uma grande recompensa no final! No que eu sou boa? (Se não sabe, faça uma lista de coisas que as pessoas ao redor de você fazem e bora testar uma à uma!!) Que efeito eu causo nos outros? Como  eu me vejo? Eu conseguiria conviver com alguém como eu?

NÃO SE COMPARE COM OS OUTROS

O seu DNA é ÚNICO. Pode ser clichê mas é uma das maiores verdades da vida: Só existe UMA você. Podem existir vários estilos parecidos mas ninguém vai ter a mesma experiência de vida como a sua.  Só tem uma vozinha na sua cabeça (eu espero :O) e ela é só sua. As coisas que você viu, experimentou, passou por, almeja, gosta, não gosta, etc, é o que fazem você ÚNICA. Tenha referências, mas não inveje: Você é você. E isso basta para ser maravilhoso!!

BLACK MIRROR

Abre espaço nesse espelho embaçado! De vez em quando é necessário pelo menos que você se esforce à se enxergar de verdade naquele espelho. Que tamanho são meus lábios? Que tamanho de testa eu tenho? Qual o formato do meu nariz? E as cores dos meus olhos? Meus cotovelos, joelhos, coxas, tornozelos… Quantas pintinhas tenho pelo corpo? Qual é meu tom de pele? Nada de negatividade. Pense de forma imparcial, observe.

Numa dessas você vai descobrindo seu jeito e também o que fica melhor em você.

Não adianta eu mentir aqui pra ti, que está lendo este texto agora e dizer “use qualquer coiiiisa, não se preocupe com tal coooisa”.  Não. Acredito que buscar a aceitação e uma boa autoestima depende de achar o que é melhor pra você. Conforme os anos vão passando a gente vai sabendo o que faz bem pra gente e o que é prejudicial. Eu, por exemplo, não posso deixar de dormir bastante; não posso abrir os olhos de manhã direto para claridade; nem posso deixar de tomar muita água! E você?

Além de hábitos, procure por produtos que vão te deixar mais feliz consigo mesma sejam maquiagens, produtos para o cabelo, hidratantes para o corpo com seu cheirinho preferido, iluminadores maravilhosos, sombras com brilho, etc. Tudo que realce sua beleza! Vai testando.

Rasgaram sua autoestima por ANOS, não é em uma (1) noite que você vai juntar os pedaços!

Separe noites para “cuidar de si” (adoro essas noites, são muito relaxantes e revigorantes), hidrate seu cabelo, tome sucos, chás, um banho mais demorado, tudo que for mais saudável e ajudar seu corpo – e você! – à se sentir melhor! Nosso corpo é feito de feitos e respostas – teste uma noite caprichada  dessa e depois me conta se você não se sentirá melhor!

Noites testando maquiagens novas (várias blogueiras de maquiagem no youtube), o que é melhor para sua pele, olhos, formato do rosto, cor de roupa, escola ou evento, etc. Não tem problema, maquiagem também ajuda à levantar a autoestima! Você se transforma, se cuida, faz bem pra você. Mas lembre-se: Tente descobrir quem você é por trás disso tudo e valorize-se! Claro, quanto menos maquiagem, melhor e você vai entender isso depois de um tempo. Penteados novos – e loucos! – para praticar no seu cabelo! Tem muuuitas referências no pinterest, divirta-se!

SELFIES

Nada de se esconder atrás das câmeras, fugir ou se fingir de morta! (As famosas não recusam tirar fotos com os fãs – e olha que há SEMPRE a chance de sair um bagaço né?! kkk Mas aí é que tá: Não adianta pedir pra tirar 300 vezes a foto: É você! Você é isso! Você é esse sorrisão escandaloso ou esse sorriso tímido! Você e SÓ você!!) É hora de testar. Seu melhor ângulo, seu melhor sorriso, seu melhor olhar.  Depois você vai perceber que isso tudo sempre esteve aí, você só precisou se esforçar um pouquiiinho para reencontrar! 😉 <3 Liga o som, ache uma luz boa e muitas muitas muitas selfies, não precisa nem postar depois. Daqui um pouquinho sentirá vontade de mostrar pro mundo uma “nova-eu”. (Ou  mande no grupo para as amigas!!) Se isso não acontecer tudo bem, ninguém é obrigado HAHA!

Junte todos esses ingredientes, adicione o “tempo“que precisar e… Conheça-se de novo! 🙂

Lembre-se: Em nenhum momento comentei no post que você está se observando, descobrindo, arrumando, melhorando para os outros… É tudo você! Por você! <3 

 

Playlist para todos estes momentos:

 

11jan 2016

Uma certa insegurança

Postado por às em Pessoal, Textos

Camila Tridapalli

Sabe, eu não sou muito velha pra poder dizer “tudo o que eu aprendi com a minha vida e essa é a minha verdade”, mas acho justo compartilhar algumas coisas. Talvez, sim, procurando por alguma compatibilidade de pensamentos e sentimentos com alguém; ou procurando por algum conselho que me mude – porque a vida é uma constante mudança, não é?!

Desde pequena uma das coisas que mais me atinge é a insegurança, que em cada fase acabou sendo resultado de algo que me aconteceu. A insegurança oscila, com certeza. Vendo que insegurança é algo totalmente diferente de autoestima, sendo o jeito em que eu ponho confiança nos outros. Autoestima trata-se de uma auto-confiança, me achar bonita, me achar legal, ME, À MIM etc. Com a insegurança eu acabo dependendo de outras pessoas. E, meu caro leitor(a), peço perdão pelo palavreado mas: Depender de outras pessoas é se foder. Quase que automático. Claro, posso estar sendo drástica. Mas você não pode esperar perfeição de outra pessoa, se você sabe muito bem que não pode dar o mesmo e ser 100% assertivo nas suas escolhas e ações.

Já levei tanto chute nas costas – Sim! Nas costas, na covardia! Pois a insegurança partiu da inocente confiança inicial que eu depositei em nas pessoas e a terrível quebra da mesma. Às vezes nem me surpreendo mais. Já é meio que certo que você ta aqui, ta com aquele ali, tá com aquele lá. Pode me amar aqui e me checar com nojo quando eu der as costas sorrindo pra você. Certeza.

Parece que é algo em que eu não posso mais controlar. Simplesmente aquela coceira no estômago me vem junto com pensamentos e ideias que podem estar bem longe da realidade. Por isso, quando está tudo errado eu tremo, quando tá tudo certo, também. Nem a comum citação “As pessoas são inocentes até que se prove o contrário”, cabe às minhas percepções. Meu limite de confiança parou no 70%. Tenha certeza que se eu digo “confio em você”, é nesses 70% que estou falando. Não exija mais de mim. É meu escudo, minha forma de não ter mais que passar por certas coisas e depois me arrepender de confiar 100% nas pessoas.

HAHAHA E eu ainda tenho a inocência – ou seria burrice? -, de pedir que me digam sempre a verdade. “Por mais dolorosa que possa ser. Sempre a verdade. Não minta, não oculte.” Novamente, eu tento. Às vezes alivia e ajuda a conseguir aquela capacidade ‘total’ de 70% de confiança que eu posso depositar em alguém.

É o meu jeitinho.

Agora tenho sempre um pé atrás. Talvez os dois. Cheguei no meu limite.

20dez 2015

Velório

Postado por às em Pessoal, Textos

Hey,

ultimamente percebi que não sou nem um pouco boa com despedidas. Se tem um jeito de ser e se isso for extremamente necessário, me ensine. Mas sinto que preciso externar essa minha despedida pessoal em palavras. Não bastaria todos os “tchaus”, os olhares pesados, os beijos calados e o aperto forte. Nas despedidas encontramos últimas oportunidades e trocas, nelas também há espaço para as “primeiras vezes”. Primeiras lágrimas, primeiros assuntos tocados juntos (do que não virá, do que poderia ser), primeiros sonhos indo embora. Tudo se torna mais forte. Parece que a fricção das digitais no soltar das mãos, se torna tão intenso quanto as palavras ditas.

Eu sei, não precisa ser um “Adeus, para sempre!”. Mas eu sinto que tenho que enterrar isso em algum lugar. É um ritual particular, que eu estava enrolando para fazer. E assim, com certeza, tudo o que se passou não será completamente esquecido ou jogado fora. Existe uma lápide dentro de mim, escondida mas que seu epitáfio diz muita coisa importante que aprendi neste período e que guardarei com muito carinho. É também um barquinho de papel, que preenchi com toda a carga emocional e estou libertando mar adentro. Observando de longe onde irá chegar, se não perdê-lo de vista.

Quando os principais motivos são desconhecidos, a gente se perde e pensa em todas as possibilidades possíveis e impossíveis. Esquecemos que a maioria das coisas que vemos não têm um porquê, e por qual motivo nesta ocasião seria diferente? Por isso não te cobro mais, nem te culpo. Vi nos seus olhos que você queria a mesma coisa que eu, pelo menos no princípio. E você foi honesto comigo e consigo mesmo – o que eu valorizo 100% e digo: No final, não erramos em nada. A nossa parte a gente fez – e muito bem! Foram anos de muito aprendizado, parceria e (por que não?) amor.

say something i’m giving up on you

 

Lembrar de como foi bom não me faz bem. Só me faz sentir… Pena. Me desculpa, mas é só o que eu consigo sentir em relação a isso, por enquanto. Pois no fundo eu sei (e talvez você concorde) que poderíamos ser algo grande, forte, permanente, que iria longe. Por isso não posso me agarrar à essa ideia e não tenho nada de ruim para me segurar. Nem o meu medo de altura me afastou da corda bamba. O jeito é deixar os braços livres e tentar andar no máximo equilíbrio possível, concentrada em me distrair em relação à altura.

Se um dia eu fiz algo que te magoou, peço que aceite minhas mais sinceras desculpas. Posso ter errado, claro – todo mundo erra!, mas juro que tentei muito me esforçar pra ser a melhor companhia sempre. E, obviamente sempre vim tentando melhorar, e vou continuar fazendo. Imagino que o sentimento de orgulho, bem-querer e respeito é mútuo e entendível. Do mesmo jeito que a gente se entendia com poucas palavras (ok, às vezes eram várias! haha), sabes que só espero coisas boas para você. Você tem meu número.

O porquê e o que virá, são perguntas que não podemos responder – no momento. E nem podemos apostar nossas fichas, haha. É tão imprevisível. Do mesmo jeito que começou, que terminou. Quem sabe o que virá? Talvez estejamos perdendo a melhor coisa que nos aconteceu (e todo aquele papo que repassamos mil vezes  – nunca será “tarde demais” para tentar!), ou talvez isso só nos fortifique, a gente NÃO SABE! E o que podemos fazer? Reagir ao que temos, não é mesmo? Mas como já disse várias vezes: “Nós, pelo visto, não tivemos escolha. A nossa parte, fizemos.” Agora é aceitar… Seguir  e deixar fluir em frente.

4f392cf740679edfdbc5fd56f18404a7

Se estou bem? To. Estou super bem. Se estou onde gostaria de estar? Nem tanto.

24set 2015

Fantasma

Postado por às em Pessoal, Textos

789f6e88d81254b3797e6b86449343c1

Não sei o quão natural isso pode ser. Deixar suas questões e necessidades de lado, por de outra pessoa. Não estou falando sobre se cuidar ou morrer por outra pessoa. Mas sim, sacrifícios. Você abre mão da sua felicidade, para ver a outra feliz. Mesmo sabendo que talvez, se fosse ao contrário, não aconteceria.

O estresse, a vida no cotidiano, os defeitos que não foram ditos, os erros que não foram perdoados; Dizem que você vê sua vida passar num piscar de olhos, não é? E tudo fica confuso, obscuro. E então você se fecha.

E o medo de morrer por dentro?

Você que está morrendo

e eu que estou virando fantasma.

Sinceramente, me sinto um fantasma. Andando por aí, observando você, sentindo sua falta. Mas sem poder interagir, tocar, cheirar você. Dos olhos, lágrimas não saem mais. Uma dor psicológica no peito, me atinge. Onipresente. Me torno um espírito nervoso quando a raiva me bate na cara, e minha vontade de desaparecer – pra sempre -, é grande.

Os sintomas estão destrutivos.

Como eu queria que você me enxergasse novamente! Que não fosse algo invisível, desprezível, inatingível e que desse medo. Quero ser presente, quero fazer todas as coisas boas que sempre fiz e ser cada vez ainda melhor. Não quero me tornar um espírito vingativo com um buraco negro no peito ao invés do coração.

A saudade vem e eu tenho que me lembrar porquê estou fazendo isso. Que estou fazendo por um motivo maior. Para que tudo volte e ainda se fortifique. Se, ao perceber que você é mais feliz sem esta fantasma, desaparecerei para sempre. Mesmo não sendo o que eu quero. Em nenhum momento estou fazendo o que quero. Tô fazendo por amor.

Show me how to fight for now

And I’ll tell you, baby, it was easy

Comin’ back into you once I figured it out

You were right here all along

Tenho fé que seja uma fase de amor cego. De estresse venenoso. De cabeça cheia, armadilha do diabo. Que eu possa voltar a aparecer, a permanecer, a fazer diferença. Quero que você lembre. Que você se importe. Que você sinta. O resto a gente dá um jeito. Enquanto isso, ficarei por aqui. Um pouco de longe, como você pediu. Mas aqui. Até que algo aconteça com minha alma.

O meu medo são as cicatrizes que talvez me perfurem fundo e não fechem novamente. Meu medo é de não conseguir aceitar depois, finalmente. E de nada voltar ao normal. Como eu queria que isso não acontecesse… Que nada precisasse “voltar ao normal”. Mas muitas vezes coisas desse tipo ocorrem para nos fortalecer. É para isto que eu tenho rezado. Para que no final eu esteja ainda mais forte e feliz… Seja qual for o spoiler da história. Rezo para que seja positiva ao que eu quero, com certeza. Mas… Se não… Quero que seja feliz. Que coisas boas aconteçam. “Quem ama, volta.” “Quem ama, liberta”. Espero que nós possamos nos encaixar nas duas frases.

E se isso tudo tiver um continuação feliz… A gente cola um band-aid. 🙂

29ago 2015

É o fim?

Postado por às em Pessoal, Playlist, Textos

24fbba6f8d03c0491bf524845ab955af

I want you to love me, I need you to need me. 

E eu estava muito enganada quando achei que ouvir doesse mais do que falar.

Minha intenção nunca foi te magoar, e eu o fiz. Na verdade juramos – não oficialmente – fazermos um ao outro, feliz. Não precisamos nem ter dito isso em voz alta, mas nossos olhos sorridentes já falavam pela gente. E eu quebrei essa promessa da forma mais confusa possível, sem saber ao certo se a quebrei realmente. Quem sabe isso seja um tônico fortalecedor?

Talvez eu realmente devesse lavar minha boca com sabão, e essa foi a sensação que eu tive menos de 5 minutos depois que as palavras saíram da minha boca. Não porque menti. Sabes que eu não minto.  Mas porque elas me rasgaram de fora para dentro. Ouvir de mim mesma algo que eu sei que doeu muito ter ouvido me deixou completamente assustada. Se tornou um péssimo filme de terror ao ver sua face em dor.

Tenho medo de falar sem sarar e acabar tendo que pedir pra você voltar. Sou completamente agradecida por você não ter desistido de mim, como eu havia pedido. Tenho certeza que você sabe o bem que fez, mesmo com medo de ser definitivo, mesmo cortado em pedacinhos por dentro. Só você me conhece assim, para saber melhor que eu tudo o que tem passado aqui dentro.

Como eu mesma disse, não sei o que está acontecendo mas com certeza não me vejo ao lado de ninguém. You’re the one that I want.  Na verdade estou cada vez mais querendo retornar ao casulo – coisa que eu nunca pensei em fazer antes. Estou me desligando de emoções e você foi a primeira a abalar, a minha mais forte. Minha força rainha, força X.

Por favor, fique. Funny you’re the broken one but I’m the only one who needed saving. Não desiste de mim. A Camila prometeu não desistir de mim, e ela vai procurar por mim, mesmo que nem eu mesma saiba onde estou, o que quero e quem sou. Mas ela quer voltar a me ver rir, fazer piada e gostar das suas piadas também. Estou pequena e encolhida em algum canto úmido e escuro. I’m only human.  E eu prometo voltar, porque realmente quero me reencontrar. E eu preciso muito de você agora, essa que é a verdade, não é? Que burra tenho sido, tentando te afastar. Te querendo aqui do lado, mas lá em outro Estado também. Eu… Me perdi.

Stand by me, me segure em seus braços e me ajude na recuperação de mim mesma. Prometo tentar ao máximo fazer essa jornada do herói, a mais fácil. Pois quero e preciso me reencontrar.

Que essa etapa passe logo pra gente poder aumentar o level, passar de nível.

Desculpe o transtorno, 

abraços,

CT.

 

 

Ps: Se um dia tiver algum assunto legal, algum concelho para pedir e quer que eu responda aqui no blog (pode ser em anônimo!), mande um e-mail para: contato@escritonamadrugada.com; Com o assunto #AjudaCamy. Ou qualquer outra coisa que não pareça vírus kkk  Beijos!
UP!